Placar é de 9 a 7 a favor de Eduardo em embaixada, diz presidente de comissão

O presidente da CRE (Comissão de Relações Exteriores) do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS), disse ao Drive –newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360– nesta 3ª feira (3.set.2019) que a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ser embaixador do Brasil nos EUA tem 1 “ligeiro favoritismo” no colegiado. Venceria por 9 a 7 após a sabatina, estimou, apontando que ainda há 3 senadores indecisos sobre o tema.

“Há 1 equilíbrio, uma tendência ligeira de 1 favoritismo dele, isso na comissão. Nove a 7 a favor dele e 3 indecisos. E os 3 indecisos são altamente técnicos. Vão esperar a sabatina para ver como vai ser o desempenho. A sabatina é importante, dá para ver quando 1 cara vai bem, quando não vai”, afirmou Trad.

A mensagem com a indicação ainda não foi enviada pelo Executivo ao Senado, mas para o presidente da CRE não há 1 atraso em relação a isso. A demora entre o anúncio e o envio pode ser por conta de burocracias no Planalto e no Itamaraty segundo o senador.

“A mensagem ainda não chegou. Está no tempo da sua tramitação normal. Se você for ver o embaixador da Malásia que mandaram a mensagem pra cá, o mesmo tempo que durou, quando se aventou a possibilidade de ele ser para a mensagem chegar, está sendo o do Eduardo. Às vezes, as luzes e os holofotes estão em cima disso achando que tem algum ‘senão’ em relação ao atraso ou não dessa mensagem. Está no tempo e no timing normal”, disse, segundo o MSN.

O congressista afirmou que há uma politização em volta de toda a questão, mas que seria natural por se tratar do filho do presidente da República. Este fato é inédito no Brasil, apesar de que indicações de fora da carreira diplomática não são novidade.

O histórico do Senado mostra que é incomum essa resistência que se desenha no caso de Eduardo. Por isso ele tem se reunido com os senadores para defender sua candidatura ao posto em Washington (D.C). A ideia é encontrar com cada 1 deles, começando pelos da comissão que o sabatinará.

Nestes encontros, o deputado tenta mostrar que tem boas relações com os EUA e que vai trabalhar para melhorar o aspecto comercial. “Ele [Eduardo] sabe da importância que é essa peregrinação e ele tá focado diretamente nisso. É normal, eles vêm sempre aqui na véspera das indicações e das sabatinas. Praticamente todos vieram, eles vêm para agradecer que o Senado vai sabatiná-los, que eles estão preparados, que estão prontos. Todos eles vêm”, contou o senador, que já se encontrou com Eduardo.

Para Trad, não é decisivo que ele seja filho ou não do presidente: “Se você vê que uma pessoa que é filho do presidente, mas que é afeito ao tema. É o presidente da CRE da Câmara, ele é um ‘embaixador’ da Câmara perante outros países”, disse.

O senador afirma ainda não ter sido procurado por membros do governo. Ele diz que apenas conversou com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que defenderam a indicação de Eduardo. As conversas foram de “senador para senador”, segundo Trad.

“Eles estão ajudando. Porque eles são da Base…Ele [Davi], tem uma amizade com o Flavio Bolsonaro, ele tem uma amizade com o próprio presidente. Eu estou esperando chegar a mensagem para eu poder dar o play de todo o processo”, disse.

Ele negou, contudo, que o trabalho para a aprovação do nome de Eduardo para ser embaixador contamine de qualquer forma outras matérias de interesse do governo na Casa, como a Previdência e a cessão onerosa.

“Estão correndo paralelos, o ministro Paulo Guedes esteve aqui numa reunião de lideres, há uma semana, conversou com todos os senadores a respeito da reforma da Previdência, sobre o pacto federativo, da cessão onerosa, tudinho. Nem se tocou em Eduardo Bolsonaro. São coisas diferentes, completamente. Não vai contaminar a tramitação de um em relação a outro e nem desse outro em relação a um”, completou.

Relatoria indefinida

O presidente da CRE já recebeu 4 pedidos de senadores para serem relatores da indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada. Trad não revela quem são os candidatos, mas diz que são 2 contrários e 2 favoráveis. A partir do momento que a mensagem chegar à Casa, ele terá 2 dias úteis para tomar sua decisão.

Ele criou 1 método de distribuição de matérias entre os senadores para que 1 não tenha mais relatorias que outros. Desta forma, cria-se uma espécie de fila de prioridade para que se relate os projetos da CRE. Assim, só será possível definir quem vai relatar a indicação de Eduardo quando a mensagem chegar à comissão.

Quem estiver na vez de ser relator, será, explica Trad. Essa dinâmica abre espaço inclusive para que outro senador da comissão, que não tenha pedido expressamente, possa receber essa função.

Ele ainda reiterou que a possível indicação do filho do presidente não receberá tratamento diferente de qualquer outra. “Não existe isso aqui [furar a fila], vai ser o mesmo trâmite dos outros. A tramitação na comissão não vai mudar em nada o seu rito, eu tenho que seguir o regimento”, disse.

03/09/2019

(Visited 2 times, 1 visits today)