Em debate, Marcos Madeira é massacrado por seus opositores

sergiolira

Na noite de ontem, terça-feira, 27, no debate com os candidatos majoritários Marcos Madeira (PMDB), Sérgio Lira (PP) e Paulino Vasconcelos (PSC), realizado na Câmara de Vereadores, o que era para ser uma explanação de propostas governamentais, virou um ringue de ataques e ofensas pessoais.

A primeira pergunta: “Por que quer ser prefeito de Maragogi?”, foi feita ao candidato Paulino. Ele respondeu que por força das circunstâncias, e relembrou a manobra feita por Marcos Madeira, impedindo que o seu PSC se coligasse ao PP de Sérgio Lira, tirando qualquer possibilidade de sua tia, a vereadora Elba Vasconcelos, ser vice da chapa da coligação “Todos com Maragogi”.

Marcos Madeira, ao responder à mesma indagação, foi verbalmente armado e emocionalmente transtornado, o que era perceptível através da sua voz nervosa. E disse que, no debate, dançaria de acordo com a música.

E Sérgio Lira disse que quer ser prefeito para consertar Maragogi.

Tema Educação

O primeiro tema foi Educação.

0 ex prefeito neopeemedebista, Marcos Madeira disse que o seu governo teve o melhor IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do município, que herdara um IDEB muito baixo de seu antecessor, Sérgio Lira, e que criou o PCC (Plano de Cargos e Carreira). Mentiu, e foi desmascarado inicialmente por Paulino Vasconcelos.

Na época de Sérgio Lira ainda não havia IDEB, que foi criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Em seguida, Sérgio Lira também o desmentiu, dizendo que o PCC foi implantado em seu governo. Em relação ao IDEB, Maragogi apresenta atualmente o pior índice de Ensino Fundamental, segundo o Ministério da Educação. Por isso Sérgio Lira questionou: “O que fizeram com o montante de mais de treze milhões de reais que entrou de verba para a educação de Maragogi?”

Ainda sobre a Educação, enquanto Marcos Madeira alardeou que trouxera faculdades para o município, Paulino disse que as crianças do PETI do Assentamento Massangana estudam numa casa de farinha, e Sérgio Lira disse que deixou 51 escolas, e hoje só tem 41.

Como Marcos Madeira é o candidato apoiado pelo prefeito de Maragogi, seu primo Henrique Peixoto(PSD), era esperado que os candidatos oposicionistas batessem na atual administração. No entanto, Marcos Madeira se esquivava, defendendo-se que o prefeito era Henrique, e não ele.

Paulino Vasconcelos  então voltou há quatro anos e o relembrou: “O senhor pediu, na eleição passada, para confiar no Henrique Peixoto como confiavam no senhor.”

E Sérgio Lira completou: “Esse prefeito foi o senhor que inventou.” O clima já começou a esquentar quando Sérgio Lira rebateu às constantes acusações de Marcos Madeira, que o chama de candidato turista, pelo fato de ele ter morado em Tocantins.

O candidato do PP disse que foi para lá trabalhar, não estava foragido. Madeira se sentiu atingido e se magoou. Pediu direto de resposta e lhe foi negado. (O TJ-AL decretou a prisão de Madeira no final de 2012 e ele esteve foragido por três meses).

Mas ele disse que esteve “resguardado”.

Tema saúde

No tema Saúde: o candidato Paulino Vasconcelos(PSC) quis saber do ex prefeito Marcos Madeira se foi verdade que recentemente tomaram uma ambulância do município, por falta de pagamento do aluguel do veículo. E lembrou que foi prometido posto de saúde para o povoado de São Bento, mas que não foi feito.

Madeira lembrou a UPA, mas se defendeu, jogando a culpa, mais uma vez, para o primo, prefeito Henrique Peixoto.

Sérgio Lira relembrou, de novo, a eleição passada, que Maragogi falou no palanque que Maragogi seria governado a quatro mãos. Mas Madeira citava as conquistas boas da gestão do Henrique Peixoto como se fossem suas; e, estranhamente, direcionava todos os erros para cima do primo, que tem sido providencialmente escondido nessa campanha.

Olra Marítima

O momento em que o candidato Marcos Madeira(PMDB) caiu em contradição foi quando falou da orla marítima, o maior cartão postal da cidade, que está visivelmente deteriorado e sofre severas críticas dos turistas que nos visitam. Disse que uma de suas benfeitorias foi a revitalização da orla.

No entanto, no fim da semana passada, em entrevista à rádio, ele disse que ia revitalizar a orla. Aí o eleitor se pergunta: afinal, ele revitalizou ou vai revitalizar a orla? É preciso salientar que nesse projeto de revitalização estaria a diminuição do tamanho das barracas, que passaria até por um processo de licitação. E não houve qualquer mudança nas barracas e até a prometida nova iluminação, iniciada em 25 de abril e prometida para três meses, ninguém sabe quando será finalizada.

Para se defender, Madeira foi às últimas consequências, e falou o que um administrador jamais deveria ter falado: que não permitiu que as barracas fossem derrubadas a pedido da vereadora Elba Vasconcelos(PSC). Ressaltou ele, que deixou de revitalizar a orla por interesses políticos.

Admitiu publicamente que, em troca de apoios políticos ou troca de votos, leiloa a nossa cidade. Acima de tudo, estão seus projetos pessoais e políticos.

Rebatendo às críticas de candidato dos ricos, como constantemente é chamado por Madeira, Sérgio Lira não se conteve e o desmascarou outra vez: “Não tenho os carros que você tem, não tomo o uísque que você toma, não frequento os lugares que você frequenta, não uso as roupas de marca que você usa.”

O ápice do constrangimento para o Madeira foi quando Paulino Vasconcelos falou do áudio, aquele do pah pah pah, que relata como fez para levar a grana até Maceió, botando o segurança do olho troncho com a mulher e o filho no carro, que pagou 30 mil de ágio para pegar 120 mil, que diz que sua irmã não vale 10.

Paulino Vasconcelos perguntou se a voz era realmente sua. Aí foi quando Madeira se lembrou de que estavam ali para discutir propostas. E disse não ter tempo para ver vídeos no celular – e repetiu várias vezes a palavra vídeo, temendo até usar a palavra áudio.

Em suas palavras finais, o candidato Sérgio Lira saiu em defesa das mulheres de Maragogi, na figura de sua vice, Isabella Laranjeiras, que foi covardemente atacada nas redes sociais. E arrematou: “Tem hora que as máscaras caem. Teu prazo de validade tá vencido. Acaba no dia 2.”

Informações enviadas pelo José Waldemar Oliveira, para o Blog do Bernardino.

bernardino-assinatura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *